24 de out de 2018

Evento internacional de comunicação é realizado em Japaratinga

IX Pentágono traz como tema ‘Midiatização e Reconfiguração da Democracia Representativa’ 

Por Brunna Moraes, João Victor Teixeira, Lucas Amorim e Victor Lima*

O CISECO (Centro Internacional de Semiótica e Comunicação) se propõe ser um espaço para reflexão e pesquisa sobre os fenômenos de produção de sentido. O evento acontece desde 2009, em Japaratinga. Neste ano será realizado o IX Pentágono, no final de novembro, com o tema “Midiatização e Reconfiguração da Democracia Representativa”.

O encontro busca unir cientistas das áreas da semiótica e comunicação para a discussão e desenvolvimento das produções teóricas a cerca dos temas abordados. Ele conta com a participação de pesquisadores nacionais e internacionais. As discussões não se limitam à teoria, buscam analisar as produções dentro do contexto social em que estão inseridas. Dão destaque a América Latina e sua abertura para o resto do mundo. 

A cidade de Japaratinga não foi escolhida por acaso. Ela é sede do CISECO por ser um espaço globalizado e por proporcionar o desenvolvimento de atividades reflexivas. O texto de apresentação do evento descreve a sede, como: a cidade abriga uma relação entre o novo e o velho mundo, entre o natural e o material, entre o movimento da natureza e o movimento dos signos. Os organizadores entendem que a semiótica e a comunicação dialogam com diversas áreas do conhecimento e por isso estimulam a interação entre as produções teóricas e evitam impedimentos burocráticos. O encontro explora a liberdade da análise científica estimulando a intersecção das diversas áreas.

A composição do conselho científico do CISECO é integrada por notórias figuras que desenvolvem a ciência ao redor do planeta, reunindo pesquisadores de todo o Brasil e de outros países como Argentina, Colômbia, Canadá, Portugal, França, Espanha e Itália. Dirigentes de cátedras universitárias e de institutos acadêmicos  aprofundam-se no incremento de pesquisas no que tange a temática da comunicação, promovendo, desta forma, uma cooperação mútua dentro da comunidade universitária. A realização de encontros, congressos, conferências e workshops, que configuram o surgimento de discussões acadêmicas, são disponibilizados para os interessados em conteúdos relacionados a semiótica e ciências da comunicação, resultando em análises aprofundadas de discursos, levando, por conseguinte, ao elevado nível de publicações de materiais que são reflexo das experiências compartilhadas. A relevância acadêmica do corpo de profissionais da comunicação que estão inseridos na colaboração do Centro Internacional de Semiótica e Comunicação, que contam com a presença de renomados autores de obras editoriais publicadas, credibilizam o evento e o inserem dentro do cenário internacional como influente fonte de expansão de novas perspectivas de pesquisa e debates comunicacionais que se consolidam de maneira relevante diante da comunidade acadêmica e científica mundial.

PROGRAMAÇÃO
O evento tem uma lista muito completa para os participantes. Na segunda-feira, a abertura acontece pela manhã com a palestra “Democracia Representativa: além da midiatização, a nova circulação?”, ministrada por Mario Carlon, da Universidad de Buenos Aires/Argentina. À tarde, os participantes poderão escolher entre: “Das funcionalidades técnicas aos processos da comunicação” com José Luiz Braga – Universidade do Vale do Rio dos Sinos/Brasil; “Aparelho de insatisfação midiatizada no capitalismo comunicacional: como manter a democracia?” por José Luiz Aidar Prado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/Brasil ou “Sesenta años y sus procedimientos. Pasos para una metahistoria de la participación política”, com Oscar Traversa, do Instituto Nacional del Arte/Argentina. 

Na terça, pela manhã, serão realizadas mais duas palestras: “Opinião pública, imaginário político e identidades nos protestos brasileiros” de Gustavo Said – Universidade Federal do Piauí/Brasil – e “Intelectuais negras em tempos de hipermidiatização: reflexões sobre representação e representatividade” por Laura Guimarães Corrêa – Universidade Federal de Minas Gerais/Brasil.

Durante a tarde, teremos “De Cristina a Macri, do contato a invocação: representação política e gestão de coletivos nos discursos presidenciais na Argentina” ministrada por Mariano Fernandez, vindo do Instituto Universitario Nacional de las Artes/Argentina; “Somos nós que deveríamos dizer essas coisas” com Manuel Dutra, da Universidade Federal do Pará/Brasil e Aruã Lima, da Universidade Federal de Alagoas/Brasil, falará sobre “A primeira vítima da guerra: dos estatutos de verdade e realidade no mundo contemporâneo”.

Na manhã e tarde de quarta-feira, acontecerá o Colóquio Semiótica das Mídias. À noite, será apresentada a conferência principal “Relações entre midiatizações, sociedades democráticas e racionalidade individual: apontamentos sobre textos encontrados no Arquivo de Eliseo Verón” com os expositoresSuzanne Chevigné, Natalia Anselmino e Gastón Cingolani.

 Quinta-feira, durante o primeiro horário do dia, Gastón Cingolani, da Universidad Nacional de las Artes/Argentina, traz “O outro-algoritmo: figurações de coletivos e indivíduos nas plataformas e sites da web”; Wilson do Couto Borges e Rodrigo Murtinho de Martinez Torres – Fundação Osvaldo Cruz-ICICT-LACES/Brasil – ministram sobre “A Saúde no processo de ‘uberização da vida’: a (não) alternativa como dispositivo de interpelação que regula e reforça a as estratégias de oligopolização do poder”. A partir das 14h, Carlos Alberto Santos, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte /Brasil, apresenta “Cientista e Jornalista, a dupla hélice para compartilhar fazeres e democratizar saberes” e Suzanne de Cheveigné – Centre National de la Recherche Scientifique/França – fala sobre “Mídia e história: discursos que circulam sobre a ciência na França”.

No último dia do evento, a manhã conta com Guilherme Azevedo – Universidade do Vale do Rio dos Sinos/Brasil – expõe sobre “Direito, Democracia e a ‘Autopoiese das Fake News’: da regulação dos sujeitos para a regulação nas(das) organizações”; Samuel Lima, da Universidade Federal de Santa Catarina/Brasil, palestra sobre “Educação para leitura crítica da mídia: fortalecer a democracia e desconstruir as fake news”. Pela tarde, Pedro Russi – Universidade de Brasília/Brasil – ministra a palestra “Semióticas cotidianas, a necessidade de outras epistemes ressignificações inferenciais”. Acontece ainda a mesa Ciseco, também durante a tarde, além do encerramento após essas atividades.

Depois de fomentar o desenvolvimento à pesquisa e publicações acadêmicas nos seus 8 últimos eventos executados, em  2018, será realizada a 9ª edição do Ciseco. Segue abaixo algumas das temáticas desenvolvidas nos circuitos de discussões das edições anteriores:
PENTÁLOGO III: “Internet: viagens no espaço e no tempo” (2012)
PENTÁLOGO IV: “A rua no século XXI: materialidade urbana e 'virtualidade' cibernética” (23 a 27 de setembro de 2013)
PENTÁLOGO V: “Dicotomia público/privado: estamos no caminho certo?” (22 a 26 de setembro de 2014)
PENTÁLOGO VI: “Vigiar a vigilância: uma questão de saberes?” (2 a 6 de novembro de 2015)
PENTÁLOGO VII: “Midiatização e Reconfigurações da Democracia Representativa” (período de 26 a 30 de novembro)
PENTÁLOGO VIII: “A Circulação discursiva e transformação da sociedade”(25 e 29 de setembro)
  



*Alunos do curso de Jornalismo, sob orientação da professora Magnólia Santos