11 de nov de 2014

Pesquisadores participam do 24º Encontro de Iniciação Científica em Maceió

Clariza Santos - Agência Ciência Alagoas/Ufal

Na manhã dessa terça-feira (11), foi realizada a abertura do 24º Encontro de Iniciação Científica da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), organizado pela Coordenação de Pesquisa da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propep). A solenidade de abertura também aconteceu em Arapiraca. 
Mesa de cerimônia de abertura com representantes da Ufal e professor da Unisinos
De acordo com os organizadores, o Encontro possui o intuito de expor, para a comunidade acadêmica, as produções dos estudantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) produzidos no período de 2013 e 2014. Este ano, 757 trabalhos foram aprovados e serão apresentados. 
A mesa de cerimônia de abertura foi composta por Eurico Lôbo (reitor da Ufal), Antônio Fausto Neto (professor da Unisinos e presidente do Centro Internacional de Semiótica e Comunicação (Ciseco), Janesmar Cavalcanti (presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Simoni Meneghetti (pró-reitora de pesquisa e pós-graduação)  e Karina Salomon (coordenadora de pesquisa).
O reitor ressaltou a importância do incentivo por parte da Universidade. "É muito satisfatório ver esse espaço repleto de estudantes, pesquisadores e professores. Esse é um momento único e rico para que toda a comunidade esteja aqui dialogando e trocando ideias muito pertinentes", discursou Lôbo.
Após os primeiros discursos de abertura, Fausto iniciou a palestra com o tema: "Conhecer em companhia: trajetos de formação de futuros pesquisadores", que levou a plateia a uma reflexão profunda em torno dos processos de midiatização, alteração no modo de produzir ciência, tecnologia e, até, redes sociais.
"Estamos vivendo em uma nova ordem organizacional. O Facebook tornou-se a imagem da humanidade. Nossas vidas estão nas mãos desses dispositivos. É um meio de acabar com a solidão e os segredos, uma verdadeira sala de espelhos", disse. 
Ainda na leitura da apresentação, Neto salientou a importância das pesquisas. "O CNPQ é um programa de continuidade.
A formação precisa ser voltada para os problemas e, assim, oferecendo soluções. Citar os bancos de dados, mas também ter espaço para os indivíduos. Precisamos pensar em conhecer em companhia para fortalecer o contato, afinal, somos mensageiros da sociedade", finalizou.
No período da tarde e nos próximos dois dias, pesquisadores orientados e orientandos trocam ideias, frases de conhecimento científico e muita pesquisa. 
EM ARAPIRACA
No Auditório do Campus do Agreste, a professora Elizabeth Sampaio de Melo, da Universidade Federal Rural de Pernambuco(UFRPE), mostrou a "A Excelência da Iniciação Científica para as IES". 
PROGRAMAÇÃO
No segundo dia, 12 de novembro, a programação prossegue, a partir das 8h  e no dia último dia, 13, das 8h às 12h, com encerramento às 15h, no Auditório do Centro de Interesse Comunitário (CIC). A Reunião Final de Avaliação contará com a participação de avaliadores externos e da Propep. 
ORGANIZAÇÃO
Fazem parte da equipe organizadora do evento, os servidores Eva Vilma Alves, Josilan Paulino, Berenice Pimentel e Karina Salomon e bolsistas Gleydson Monteiro, Lucinelma dos Santos, Mayara Santana, Lídia Michaeli, Vanila Gomes e Lyara Chagas.



Encontro reuniu pesquisadores do Brasil 

Estudantes e professores se reuniram no auditório da Reitoria da Ufal