A laranja não é apenas uma importante fonte de vitamina C. Há 60 anos o cultivo dessa fruta é o que movimenta a economia local da Região do Vale do Mundaú. Cerca de 2.500 agricultores familiares, distribuídos nos municípios de Branquinha, Ibateguara, São José da Laje, União dos Palmares e Santana do Mundaú, tornaram Alagoas o terceiro maior produtor de laranja do Nordeste e o maior produtor de laranja lima do país.
Condições ambientais favorecem citricultura alagoana



Texto e Ilustração: Laís Pita ( colaboradora/estudante de Jornalismo da    Universidade Federal de Alagoas)
    Aspectos como o solo e o clima favorável da região contribuem para que Alagoas, através dos citricultores – organizados em 40 associações e duas cooperativas regionais – possua 13 mil hectares de terra cultivados com laranjas lima e uma produção de 213 mil toneladas anuais, movimentando uma receita de R$134 milhões.

     Os agricultores integram o Programa de Arranjos Produtivos Locais (PAPL), através do APL da Laranja no Vale do Mundaú. O programa do Governo de Alagoas – através da Secretaria de Estado do Planejamento e Desenvolvimento Econômico (Seplande) em parceria com o Sebrae/AL -  busca dinamizar o agronegócio e promover o aumento da produtividade, da qualidade do fruto, da sustentabilidade sócio-econômica e ambiental, buscando novos mercados.

     “O trabalho desenvolvido pelo APL tem o objetivo de motivar a interação e cooperação entre produtores e empreendedores para atração de capitais e aumento do dinamismo empresarial. A redução dos custos e riscos empresariais e a promoção de inovações tecnológicas também estão entre as nossas metas”, explicou a gestora do Arranjo, Leila Flávia.

     Aumentar a produtividade em 60% e elevar em 30% o padrão de frutas classificadas com “Tipo A” são alguns dos resultados que o Arranjo pretende alcançar até dezembro de 2012. Para o final desse ano, espera-se que o volume de laranja lima dos produtores selecionados para a certificação em Produção Integrada aumente 80%.

     Outros pontos que também estão dentro do plano de ação do APL é a ampliação do volume de frutas comercializadas em 30% até dezembro de 2011 e em 30% até dezembro de 2012 e o aumento da renda dos produtores em 60% até dezembro de 2012.

COOPLAL

     A Cooperativa dos Produtores de Laranja Lima (Cooplal) foi criada em junho de 2002 com o objetivo de comercializar as laranjas lima de Santana do Mundaú – maior centro de produção cítrica de Alagoas, com cerca de 90% da produção estadual. Os cooperados eram os presidentes e diretores das associações e representantes de 15 comunidades desse município.

Atualmente, a Cooplal conta com 48 cooperados e 20 associações de produtores rurais, somando mais de 500 citricultores. “Temos dois técnicos agrícolas que realizam reuniões nas comunidades para auxiliar os agricultores na comercialização e fabricação da fruta. Além de capacitações para que os produtores conheçam as pragas e doenças constantes da região”, destacou o presidente, Antonio Carlos Souza.

     Com o surgimento do APL, em 2009, a Cooplal passou a coordenar as vendas para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e realizou 10 projetos, beneficiando 263 produtores e 249 mil pessoas carentes de 16 municípios. No ano de 2010, foram desenvolvidos 19 projetos que contemplaram 518 citricultores e 290 mil pessoas.

     Segundo a gestora do Arranjo, Leila Flávia, através dos 24 projetos realizados esse ano foram vendidas 3.498 toneladas de laranja, resultando em uma quantia de R$2.204.044,92 e beneficiando cerca de 900 pessoas.

Uma máquina de beneficiamento da laranja – no valor de R$50 mil – para lavar, secar e classificar em três tamanhos a fruta, além de uma extradora, dosadora e seladora, no valor de R$37mil, para a fabricação do suco congelado da laranja, foram alguns dos equipamentos captados através de ações APL para aumentar a produção.

     “Graças a toda essa estrutura que conseguimos montar, hoje vendemos para oito supermercados em Maceió, como o Bompreço, Palato e Cesta de Alimentos. Além das duas toneladas por mês que vendemos para 17 mercadinhos da central de Maceió”, explicou Leila Flávia.

      Para se tornar um cooperado, o produtor de laranja precisa ser um agricultor familiar, ter até 64 hectares de terra plantados, renda bruta anual de até 100 mil reais e residir na região do Vale do Mundaú.

PROPRIEDADES NUTRITIVAS

     A laranja lima é considerada fonte de vitamina C e fibras, além de possuir quantidades significativas de minerais, como o potássio e o fósforo. Vitaminas do complexo B e ácido fólico também são encontrados nessa fruta energética.

     Por ser rica em vitamina C, a laranja tem papel oxidante e ajuda a combater o envelhecimento precoce das células; fortalece as defesas do organismo, tornando-o mais resistente às infecções e auxilia o corpo a absorver o ferro de outros alimentos. Já as fibras contribuem para a diminuição das taxas de colesterol e atuam no funcionamento regular do intestino.

      Mas, para que todas essas propriedades nutritivas da laranja sejam mantidas, é necessário ficar atento na hora de consumir a fruta, pois a perda do valor nutritivo dos alimentos tem inicio desde a produção e, se manipulado de forma incorreta, essa perda pode ser acentuada.

     Por saber desse fator, o APL da Laranja desenvolve um trabalho voltado para que o valor nutritivo da fruta não seja alterado. “Nossas laranjas são grandes, doces, com menor acidez, polpa muito suculenta e de coloração amarelada, reconhecidas por consumidores locais e de outros estados”, ressaltou Leila Flávia.

     Quanto a maneira de consumir a fruta, a nutricionista do Mesa Brasil Sesc Alagoas, Kelly Morgana Araújo, explica que o suco e a fruta “in natura” são recomendados para quem quer ter uma alimentação saudável. Ao consumir a fruta, os benefícios das fibras e de algumas vitaminas mais voláteis são mantidos.
     “O suco de laranja também são uma ótima opção nutritiva, no entanto há alguns cuidados que devem ser mantidos durante o preparo, como coar o mínimo possível para manter parte das fibras e consumir de imediato, pois mesmo guardado em geladeira alguns nutrientes são perdidos”, detalhou a nutricionista.

     A especialista também falou que para quem não gosta de fruta e precisa absorver as propriedades nutritivas da laranja, a opção é consumir um bolo ou um doce da fruta, por exemplo. “É só prestar atenção na embalagem e se o produto foi acondicionado de forma adequada até o consumo”, concluiu a nutricionista.