10 de jun de 2011

UFAL DISCUTE CRIAÇÃO DE CURSO DE OCEANOGRAFIA

por: Magnolia Rejane Andrade dos Santos, no dia 10/06/2011

Litoral é campo fértil para pesquisas


A bióloga Mônica Dorigo, docente da Universidade Federal de Alagoas/UFAL, está defendendo a criação de um curso superior em oceanografia em Alagoas. Ela ressalta, com certo descontentamento, que “a maioria da população não conhece as lagoas que batizam o estado”. Assim, se o curso for aprovado pelo CONSUNI – Conselho Universitário – a população se beneficiaria não somente no aspecto de conscientização, mas, sobretudo, com o aprendizado – para crianças até adultos (a priori o público selecionado seria pescadores). O local de realização do mesmo seria mais precisamente na antiga Escola de Aprendiz de Marinheiro, próxima ao Detran, no Pontal.
Sendo um curso de ciências do mar, estando próximo à costa, a pesquisa de campo envolveria a experiência aproveitada pelos cidadãos do entorno, isto é, eles acompanhariam estudantes e professores, indicando locais estratégicos para o olhar acadêmico do envolvidos. Para tanto, barcos estariam à disposição da equipe que, além de se relacionar e levar à comunidade os métodos científicos da pesquisa de campo germinaria uma cultura de interesse por ciência. Outra grande conseqüência é a criação de um Museu de Ciências do Mar.
MUSEU DO MAR
A proposta, segundo Dorigo, é recriar, em resina de carbono, que não se degrada (tão facilmente) e conserva a modelagem aplicada, biomas marinhos alagoanos garantindo um primor, seja milimétrico, seja reprodutório das espécies escolhidas para esses modelos. Além disso, o museu abrigaria um aquário e um viveiro. A professora esclarece –“a maioria das cidades litorâneas (grande parte, portuária) conta com esse espaço para a sociedade, o curso de oceanografia traria solidez e, construiria mais um campo de análises e reflexões sobre a gênese (biótica e abiótica) de Alagoas, ressalta. O Estado se beneficiaria como em uma relação mutualista, onde todos ganham.
Há mais de vinte anos na UFAL, a professora Mônica Dorigo, trabalha no LABMAR – Laboratório Integrado de Ciências do Mar, da Usina Ciência, estudando recifes de corais. Com atuação, nas áreas Biologia Marinha, Zoologia Costeira e Oceanografia, a sua tese de doutorado foi fruto de pesquisa sobre a costa alagoana, mais especificamente a Ponta Verde. No Brasil, se conhece muito pouco a respeito sobre os arrecifes. Somente na década de 80 se alavancaram o interesse, o fomento, a preocupação e a importância deles. De lá para cá, mesmo com toda a evolução científica a respeito, ainda falta muito pra se conhecer.
Auotr: Hiago Rocha