19 de mai de 2010

UFAL DISCUTE PROBLEMAS URBANOS




      O caos no trânsito, a falta de planejamento habitacional das cidades, a má distribuição de renda e a ausência de uma gestão pública de qualidade são alguns dos temas estudados pelo Grupo de Estudos de Problemas Urbanos (GEPUR) da Universidade Federal de Alagoas. Criado em 2000, o grupo visa identificar e apresentar aos órgãos públicos e governamentais novas propostas de gestão para as cidades alagoanas, beneficiando os setores de desenvolvimento urbano, político e de habitação.


A coordenação das pesquisas é realizada pelos professores Augusto Aragão e Suzann Cordeiro, pertencentes ao Laboratório de Estudos de Problemas Urbanos (LABPUR) da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da universidade. A equipe é formada também por outros 5 pesquisadores, além de estudantes de graduação e pós-graduação.

O Gepur, dentro da temática da gestão urbana, vem discutindo os conflitos sócio-espaciais. Para Augusto Aragão o entendimento do que é “problema urbano” é muito amplo e pode variar desde o conflito entre o pedestre e o veículo até a dialética do direito à moradia e ao meio-ambiente, por exemplo. O pesquisador afirma que todos os trabalhos procuram contribuir para a formação de uma gestão pública que supere os conflitos sociais existentes nessas cidades.

CIDADES EM FOCO

Um dos recentes trabalhos de auxílio administrativo realizado pelo Gepur, sob coordenação do Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV) do curso de engenharia da Ufal, foi feito no município de Chã Preta. O grupo elaborou um projeto de habitação de interesse social em um sistema construtivo de coordenação modular e conectividade, que envolve a criação de atividades que otimizam o custo durante a construção de casas.

Segundo a pesquisadora Suzann, q produção de tijolos de tamanhos modulados, facilita na hora que for levantar uma parede. O método proporciona menos desperdício de material e aumenta a velocidade de produção, fazendo com que todos os tamanhos (modulações) estejam em harmonia.. Esse projeto foi encaminhado ao Ministério das Cidades para construção de habitações de interesse social, auxiliando na realização de plano de interesse social em municípios alagoanos com menos de 20 mil habitantes. O plano busca de maneira geral definir qual a função social de cada pedaço da cidade, considerando sempre as especificidades econômicas, culturais e ambientais.

SEGURANÇA PÚBLICA

Outra questão importante, desenvolvida pelo grupo ainda este ano, é a assessoria na elaboração da política estadual de segurança pública que tem como foco a violência e a segurança pública. Atendendo a uma convocação do Tribunal de Justiça de Alagoas, a pesquisa investiga o espaço penal no que diz respeito à localização das estruturas e o crescimento carcerário.

Como fruto desse levantamento inicial, outro similar aguarda por aprovação do tribunal e se propõe a realizar o mapeamento da violência no Estado. A pesquisa deve avaliar o impacto dos equipamentos de segurança do Estado como as delegacias e penitenciárias, avaliando quais problemas sociais eles atraem ou afastam.

PARCERIAS

Além das citadas parcerias com as prefeituras e o Tribunal de Justiça, o grupo possuí atividades em conjunto com o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) com o qual desenvolve pesquisas sobre a regionalização do Estado de Alagoas. Os contatos com o grupo podem ser feitos com: Augusto Aragão, fone: 8879-2993    augustoaa@hotmail.com; e Suzann Cordeiro de Lima; fone: 9981-4394   suzanncordeiro@hotmail.com .

Colaboração: Milton Rodrigues